Tendo-se em conta a comemoração do septuagésimo oitavo ano de nascimento de Maria Beatriz do Nascimento, “historiadora transatlântica”, professora, ativista negra e poeta, nascida em Aracaju no Estado de Sergipe em 17 de julho de 1942, o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas – NEABI UENP “Beatriz Nascimento” – em referência a sua memória e à condição de patronesse – lança pesquisa que busca fazer levantamento de informações e análises a respeito das condições vividas pelas estudantes negras e negros ingressantes na UENP pelo regimento de cotas sociorraciais.

Segundo o coordenador do NEABI, professor-doutor Antonio Donizeti Fernandes, “o momento vivido com a pandemia nos revela agravos e situações que vulnerabilizam ainda mais as populações que vivem sob a dinâmica do sofrimento social, ou seja, sob o efeito do que as instituições sociais e econômicas fazem a elas e o que elas fazem consigo mesmas”.

Ainda conforme o professor, “no caso dos estudantes negros e negras, o programa de cotas da UENP em face dessa realidade pode ser impactado diretamente com a evasão nos cursos, o que exigiria o aperfeiçoamento de um programa de permanência universitária, e para tanto, se faz necessária uma pesquisa objetivando o levantamento de demandas, a fim de se ter um maior conhecimento da realidade dos estudantes em prol de sua implementação”.

A pesquisa, sob a coordenação dos professores envolvidos, vai ocorrer a partir desta semana com entrevistas semiestruturadas via telefone e demais canais de conexão virtual. Dentre os assuntos a serem investigados, encontram-se repertórios relativos ao ingresso na UENP, à pandemia e à suspensão das aulas, à implantação das aulas remotas, às condições sociais de sobrevivência e de estudo, bem como, às expectativas quanto ao retorno às aulas pós-pandemia. Fonte: Comunicação / Arte: Divulgação Uenp.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui