Ibiporã imunizou 94,78% do público-alvo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, formado por crianças com mais de um ano a menores de cinco. O município quase atingiu a meta estipulada pelo Ministério da Saúde, que é de 95%. Segundo a Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), foram realizadas 2.508 doses da vacina até o dia 18 de dezembro, data final da campanha iniciada em 28 de setembro no Paraná. O objetivo era imunizar 2.646 crianças. A campanha chegou a ser prorrogada duas vezes.

A faixa etária que atingiu a maior cobertura vacinal foi a de quatro anos – 109,62%. Já as crianças de um ano foram as menos imunizadas – 74,47%. As doses estiveram disponíveis gratuitamente em todas as Unidades Básicas de Saúde, sem a necessidade de agendamento. Para facilitar o acesso da população à vacina e evitar a transmissão da Covid-19, a Secretaria de Saúde promoveu em alguns sábados o “Dia D”, com algumas UBS abertas apenas para atualização da carteira de vacinação e imunização em sistema drive thru no Centro de Saúde.

A poliomielite é uma infecção contagiosa causada pelo poliovírus selvagem, que pode afetar os nervos e levar à paralisia parcial ou total. Essa doença está erradicada no Brasil desde 1994, porém, ainda existe a presença do vírus que transmite a doença em outros países, como o Paquistão e o Afeganistão. A vacinação é a única forma efetiva de prevenção, por isso é importante a conscientização da população e a vigilância constante dos profissionais da saúde.

O Paraná não registra casos de poliomielite desde 1986. Neste momento, o Estado possui  14 notificações para paralisias flácidas agudas e, por esse motivo, as equipes de saúde permanecem em constante vigilância à notificação desses casos, que são importantes indicativos epidemiológicos. O objetivo da campanha foi reforçar a importância da prevenção, a facilidade ao acesso das vacinas e reduzir o risco de reintrodução do poliovírus no país.

A vacina contra a pólio faz parte do Calendário Nacional de Imunização e está incluída na rotina dos postos de saúde. O imunizante deve ser administrado aos 2 meses (1ª dose), 4 meses (2ª dose) e 6 meses (3ª dose). Estão previstas ainda doses de reforço aos 15 meses e aos 4 anos de idade. Fonte: Caroline Vicentini/NCS/PMI – Foto ilustrativa: Sesa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui