Registros do CAGED mostram posição confortável em relação a outros municípios

Cornélio Procópio registra no momento um saldo altamente positivo na oferta de empregos. Mesmo após o longo período de pandemia dos últimos dois anos, o município ainda se mostrou bastante ativo no processo de disponibilidade de vagas, com a oferta de oportunidades de emprego no comércio, indústria e serviços.

Dados oficiais divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) colocam o município numa posição confortável em relação a outros municípios de seu porte. Neste ano, foram 3.796 admissões contra 2.891 desligamentos, o que dá um saldo positivo de 905 colocações no mercado de trabalho.

Os registros divulgados este mês pelo órgão, que mantém os dados oficiais de cada município da federação, apontam uma situação relativamente confortável em comparação com municípios de seu porte. É o caso de Jacarezinho e Santo Antônio da Platina, respectivamente, com saldos de 202 e 254.

De acordo com informações da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, no início da pandemia em 2020, o município tinha 14.911 empregos formais. Já em 31 de maio deste ano, tem 16.879 pessoas trabalhando informalmente. Isto indica que, na prática, o município gerou em dois anos 2 mil vagas de empregos formais.

Intermediação

A Agência do Trabalhador, órgão municipal ligado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, mantém um atendimento diário de 100 a 120 pessoas em média na intermediação de vagas de emprego. Conforme seus registros, de janeiro a maio deste ano, 467 trabalhadores foram colocados no mercado com carteira assinada.

A demanda de trabalho na agência este ano, segundo sua diretora, Gisele Picoloto, aumentou consideravelmente. O aumento, de acordo com ela, se deve ao trabalho de visitas feito às empresas, o que aumentou a credibilidade e consequente disponibilidade de vagas nas pequenas, médias e grandes empresas locais.

“Temos procurado fazer um trabalho de intermediação de vagas transparente, alinhando os pré-requisitos de vagas impostos pelas empresas ao perfil de nossos trabalhadores. Com isso, detectamos sua aptidão através de uma pré-entrevista e cadastro extraído do PIS”, explica a diretora.

Qualificação

Outra preocupação citada por ela e atribuída à gestão do prefeito Amin Hannouche é a qualificação de mão de obra do jovem que deseja ingressar no mercado de trabalho e de trabalhadores que não concluíram sua escolaridade. Somente no ano passado, foram promovidos 11 cursos de qualificação, com a maioria dos participantes sendo colocada no mercado de trabalho.

Ela prevê que para este ano não será diferente. “Vamos trazer alguns cursos profissionalizantes em parcerias com instituições conceituadas, como Sistema S; Frigorífico do Peixe; Regional de Saúde e Escola de Saúde do Paraná, entre outros órgãos”, exemplificou.

A Agência também mantém um trabalho de conscientização sobre a importância da escolaridade para se conseguir uma colocação. Para isso, mantém um trabalho de orientação quanto ao comportamento nas entrevistas de emprego, através de colégios e instituições como Tiro de Guerra, redes sociais  e emissoras de rádio da cidade.

(Comunicação/Prefeitura)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui