Ibiporã é mais um dos municípios brasileiros a exigir o uso de máscaras de barreira para todos os cidadãos quando estiverem fora de casa. A intenção é que o acessório ajude a proteger contra a COVID-19 e permita uma abertura gradual de alguns segmentos da sociedade. Pensando na prevenção de todos, empresas, entidades e profissionais liberais estão doando máscaras à orgãos públicos e população em geral. O gesto solidário resultou na distribuição de mais de oito mil unidades que foram distribuídas para servidores da Prefeitura, SAMAE, Fórum e munícipes.

O grupo Furgão Ibiporã doou mais de duas mil máscaras. O frigorífico Rainha da Paz doou TNT para a confecção de 400 aventais entregues aos profisssionais de saúde, além de mil máscaras de tecido. Dona Nena, proprietária de uma fábrica de figurinos, doou mais de 3 mil máscaras e o Rotary Club de Ibiporã  também ofereceu três mil unidades. O município também recebeu doações de álcool em gel a 70%.

O coronavírus pode ser espalhado por gotículas suspensas no ar quando pessoas infectadas conversam, tossem ou espirram. Essas gotículas podem ter sua formação diminuída pelo uso de máscaras não profissionais. O secretário de Saúde, Paulo Zapparoli, destaca com gratificação as ações sociais realizadas no Município. “O governo municipal agradece imensamente o comprometimento da comunidade ibiporaense, porque a demanda de material para o enfrentamento à Covid-19 é muito grande. Com essas doações, é possível nos organizarmos e ajudar aqueles que precisam. As doações dessas pessoas e empresas é uma prova do comprometimento social dos segmentos econômicos e de toda população. Estamos todos unidos, no sentido de vencer essa batalha contra o coronavírus”, agradeceu o secretário.

Máscaras de tecido – Segundo o decreto nº 144, de 14 de abril de 2020, o uso da máscara de barreira caseira (em tecido) é obrigatória no transporte coletivo, atividades laborais (excetuados os serviços de saúde) e quando da utilização dos serviços essenciais públicos e privados (padarias, supermercados, açougues, postos de combustíveis, farmácias, bancos, lotéricas), ficando advertido o uso de máscaras cirúrgicas, devido à dificuldade de aquisição para os profissionais de saúde.

As máscaras poderão ser confeccionadas com tecidos conforme as recomendações da Nota Informativa Nº 3/2020, do Ministério da Saúde (https://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/April/04/1586014047102-Nota-Informativa.pdf). Para ser eficiente como uma barreira física, a máscara caseira precisa seguir algumas especificações, que são simples. É preciso que a máscara tenha pelo menos duas camadas de pano, ou seja dupla face.

E mais uma informação importante: ela é individual. Não pode ser dividida com ninguém. As máscaras caseiras podem ser feitas em tecido de algodão, tricoline, TNT ou outros tecidos, desde que desenhadas e higienizadas corretamente. O importante é que a máscara seja feita nas medidas corretas cobrindo totalmente a boca e nariz e que estejam bem ajustadas ao rosto, sem deixar espaços nas laterais.

Fonte: Núcleo de Comunicação Social/PMI – Foto: Divulgação PMI

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui